Semana 8

Avaliar e discutir itens da prova individual.

INSTITUTO PRÓ-LIVRO. Retratos da Leitura no Brasil. 4. ed. São Paulo : Instituto Pró-Livro : IBOPE Inteligencia , 2016. 144 p.
(slides) Disponível em: < http://prolivro.org.br/home/images/2016/Pesquisa_Retratos_da_Leitura_no_Brasil_-_2015.pdf >


Apresentação de softwares e plataformas de editoração científica.

Exercícios de busca e interpretação : TEDE, OCS e OJS

Habilitações dos alunos no software OJS


Questões referente ao Direito autoral - quem é o autor?


Data: Wed, 25 Nov 2009 11:06:00 -0200 BRST
De: Nanci Oddone <moc.liamg|enoddoen#moc.liamg|enoddoen>
Assunto: ANCIB Orientador não é co-autor: professor da UFPR é co ndenado por danos morais

Orientador não é co-autor: professor da UFPR é condenado por danos morais

No último dia 15 de novembro foi publicada matéria na Gazeta do Povo relatando que o Prof. Miguel Noseda, de nosso Departamento, juntamente com a UFPR, foram condenados por usurpação de autoria de trabalho científico. O prof. Miguel e a Universidade deverão recorrer da sentença. Entretanto, apontamos a preocupação com o teor da sentença que afeta a todos os orientadores que trabalham com pesquisa científica, experimental e financiada, em todos os níveis de orientação, da forma que conhecemos.

Salientamos que pontos descritos na sentença estabelecem que o orientador não é co-autor do trabalho desenvolvido, levantando aspectos importantes envolvendo a propriedade intelectual da instituição, os financiamentos obtidos pelo orientador para realização da pesquisa, as publicações/patentes decorrentes da pesquisa, etc.

Consideramos importantíssimo que esses pontos sejam discutidos nesta Universidade, pois acreditamos que a sentença emitida afeta a todos os orientadores/pesquisadores e, neste aspecto, ratificamos nosso apoio ao Prof. Miguel. Abaixo, colocamos alguns pontos para localização e entendimento do problema e posterior discussão.

Abraços a todos

Leda Chubatsu e Fany Reicher
Depto. de Bioquímica e Biologia Molecular
Setor de Ciências Biológicas


1. Em março de 1997, Gladys A. H. Majczak ingressou como estudante de mestrado junto ao Programa de Pós-Graduação em Ciências-Bioquímica da UFPR sob orientação do Prof. Miguel Noseda e defendeu a dissertação de mestrado em agosto de 1999. No período de 03/97 a 02/99 recebeu bolsa CAPES-Demanda Social.

2. Em maio de 1999, durante a XXVIII Reunião Anual da Sociedade Brasileira de Bioquímica e Biologia Molecular (SBBq) em Caxambu-MG, foi apresentado um resumo e poster contendo resultados obtidos durante o desenvolvimento da dissertação de mestrado. Neste resumo, a ordem dos autores foi: Majczak, Duarte e Noseda.

3. Em 2001, o trabalho foi novamente apresentado, na forma de resumo e pôster, durante o XVII International Seaweed Symposium realizado na África do Sul. Neste resumo a ordem dos autores foi: Noseda, Majczak e Duarte, sendo apresentado pelo prof. Noseda que participou o evento. Este trabalho recebeu a premiação "Japan Seaweed Association Poster Awards", durante o simpósio, valor de US$500,00. Este trabalho foi publicado posteriormente numa forma expandida no livro "Proceedings of the 17th International Seaweed Symposium" e a ordem dos autores foi Majczak, Richartz, Duarte e Noseda.

O processo judicial foi iniciado por Gladys Majczak acusando o Prof. Noseda de "usurpação de autoria de trabalho científico" referindo-se ao resumo apresentado e premiado durante o Simpósio na África do Sul. A defesa do Prof. Miguel baseou-se na co-autoria do trabalho. A sentença caso foi emitida em 03 de novembro (de acordo com a Gazeta do Povo).

Para atribuição da sentença, a juíza cita os artigos 11 e 15 da Lei no. 9.610/98 sobre co-autoria:

*Art. 11. *Autor é a pessoa física criadora de obra literária, artística ou científica.
*Parágrafo único. *A proteção concedida ao autor poderá aplicar-se às pessoas jurídicas nos casos previstos nesta Lei.

*Art. 15. A co-autoria da obra é atribuída àqueles em cujo nome, pseudônimo ou sinal convencional for utilizada. *
*§ 1º *Não se considera co-autor quem simplesmente auxiliou o autor na produção da obra literária, artística ou científica, revendo-a, atualizando-a, bem como fiscalizando ou dirigindo sua edição ou apresentação por qualquer meio.
*§ 2º *Ao co-autor, cuja contribuição possa ser utilizada separadamente, são asseguradas todas as faculdades inerentes à sua criação como obra individual, vedada, porém, a utilização que possa acarretar prejuízo à exploração da obra comum.

Abaixo estão transcritas partes do texto da sentença:

(…) Desse modo, as monografias, dissertações ou teses têm uma característica dialogal, de conjunção de dois fluxos intelectuais, sendo um o autor e outro o orientador (coadjuvante), que apenas aconselha, orienta e o dirige. A função do orientador é trazer à tona novas ideias, achados, ensinamentos que o fluxo criativo do orientado produzirá. O orientador não escreve, não redige o conteúdo e a substância do trabalho. Se agisse dessa maneira, estaria violando as regras do programa de pós-graduação /stricto sensu/.

(….) Embora seja importante a contribuição do Professor Miguel para a obtenção dos prêmios no Simpósio Africano, porquanto foi ele quem viabilizou sua apresentação, isso não tem têm o condão de conferir-lhe a condição de co-autor. Quando muito, poderia ser nominado colaborador. A produção científica estava completa, ocupando-se o Professor, no propósito de apresentar o trabalho, da adoção de procedimentos meramente burocráticos (elaboração de resumo, inscrição e apresentação). A prova produzida evidencia que a autora foi quem pesquisou, redigiu, elaborou e completou a produção científica.

(…) No caso /sub judice/, diante dos elementos de convicção constantes nos autos, considero que os fatos aqui abordados são gravíssimos, uma vez que o réu Miguel Daniel Noseda agiu de má-fé, enviando um trabalho de autoria de GLADIS para um Simpósio na África do Sul, se intitulando co-autor, juntamente com outra professora…

(…) *III. DISPOSITIVO*
Diante do exposto, julgo procedente o pedido para declarar a autoria exclusiva de Gladis Anne Horacek Majczak do trabalho apresentado no XVII Congresso Internacional de Algas Marinhas, na África do Sul, intitulado "Atividade Anti-herpética da Heterofucana Sulfatada Isolada de Sargassum Stenophyyllum", e condeno o réu Miguel Daniel Noseda a:
a) proceder à retificação do nome do autor no trabalho junto à comissão do evento (…)

UFPR - Universidade Federal do Paraná
Setor de Ciências Exatas - Departamento de Química
Cep 81.531-980 - Curitiba - PR - BR
Tel: (41) 3361-3269 Cep 81.531-980…"


Gazeta do Povo

http://portal.rpc.com.br/gazetadopovo/vidaecidadania/conteudo.phtml?id=944466

UFPR é condenada em processo por plágio

A Universidade Federal do Paraná (UFPR) e o coordenador do programa de Pós Graduação em Ciências-Bioquímica da instituição, Miguel Daniel Noseda, foram condenados a pagar R$ 50 mil, a título de indenização por danos mo­­rais, para a pesquisadora e ex-aluna Gladis Anne Horacek Majcak, por plágio. A sentença da juíza Vera Lúcia Feil Pon­ciano, da 6.ª Vara Federal, é do dia 3 deste mês. O professor também deverá repassar a Gladis o valor corrigido de um prêmio recebido em 2001, na África do Sul.

Gladis Majcak desenvolveu sua tese de mestrado en­­tre 1997 e 1999 e teve Miguel Noseda como orientador. O trabalho que baseou a tese, “Atividade Anti-herpética de uma Galactofucana Sulfada Isolada de Alga Parda (Sar­gassum Ste­nophyyllum)”, foi inscrito em 1999 na 28.ª reunião da So­­ciedade Brasileira de Bio­química e Biologia Molecular (SBBq). Em janeiro de 2001, a pesquisa foi enviada para o 17.° Simpósio Inter­nacional de Algas Marinhas, na África do Sul. O trabalho foi apresentado por Noseda, que colocou seu nome em primeiro lugar entre os autores.

Para a apresentação, uma palavra do título foi alterada. Ao invés de galactofucana, constou a palavra heterofucana. Galactofucana é o tipo específico do polissacarídeo (carboidratos que participam na formação de estruturas orgânicas); já heterofucana é um termo genérico, que, no entender da juíza, teria sido utilizado para “maquiar” a autoria. O trabalho foi premiado em US$ 500.

Gladis Majcak alegou que não foi comunicada e denunciou o caso à UFPR, que instaurou uma sindicância. Noseda foi absolvido e Gladis recorreu à justiça. “Houve irregularidades durante o processo de sindicância, sumiram páginas”, afirmou a advogada de Gladis, Carla Fernandes Araújo Demchuk.

Em seu despacho, a juíza colocou que “a UFPR informou que o processo administrativo foi extraviado” e que a função do orientador é distinta da de um coautor. Ela entendeu que a UFPR também teve responsabilidade, por ter absolvido Noseda.

Segundo Carla Demchuk, o trabalho de Gladis abriu o caminho para a elaboração de um novo medicamento para a herpes. Gladis vive hoje no es­­tado de Michigan, nos Estados Unidos, onde trabalha como pesquisadora.

Miguel Noseda negou que tenha plagiado o trabalho e disse que sugeriu a linha de pesquisa para Gladis, já que possui doutorado no tema. “Normal­mente é sugerido que o nome de quem vai participar do congresso apareça em primeiro lugar. Mas, na publicação científica, que fica nos anais do congresso, está o nome da Gladis em primeiro.”

Noseda disse que o valor do prêmio ainda está guardado e que, na área de pesquisa experimental, os nomes dos orientadores também são incluídos. Segundo o professor, o título foi alterado por uma questão científica. “Foi mudado o termo porque vimos que esse polissacarídeo era formado por mais açúcares. Foi para caracterizar melhor a estrutura.” Por meio de sua assessoria, a UFPR informou que ainda não foi notificada da decisão e não iria se manifestar.

ANCIB - Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Ciência da Informação


É necessário discutir questões de autoria!


Leituras

E-PRINTS IN LIBRARY AND INFORMATION SCIENCE (E-LIS). - Disponível em: <http://eprints.rclis.org/>.

E-PRINTS.ORG. EPrints - Digital Repository Software. Disponível em: < http://www.eprints.org/software/>. Acesso em: 10 jan. 2008.

FERREIRA, Ana Maria Clipes; CAREGNATO, Sônia Elisa. A editoração eletrônica de revistas científicas brasileiras: o uso de SEER/OJS. TransInformação, Campinas, v. 20, n. 2, p. 171-180, maio/ago., 2008. Disponível em: < http://revistas.puc-campinas.edu.br/transinfo/include/getdoc.php?id=595&article=227&mode=pdf >.

INSTITUTO BRASILEIRO DE INFORMAÇÃO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA. Crescimento anual do número de revistas que utilizam o SEER, presentes no Portal do SEER. 2009. Disponível em:< http://seer.ibict.br/>. Acesso em: 10 jan. 2009.

INSTITUTO BRASILEIRO DE INFORMAÇÃO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA. ISSN. Disponível em: <http://www.ibict.br/secao.php?cat=ISSN>.

INSTITUTO BRASILEIRO DE INFORMAÇÃO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA.. OJS em uma hora: uma introdução ao Sistema Eletrônico de Editoração de Revistas SEER/OJS versão 2.1.1 . Trad. por Ramón Martins Sodoma da Fonseca. Brasília: IBICT, 2006. 144 p. Disponível em: <http://seer.ibict.br/images/stories/file/manuais/ojs_uma_hora.pdf>. Acesso em: 20 mar. 2008.

INSTITUTO BRASILEIRO DE INFORMAÇÃO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA.. Sistema Eletrônico de Editoração de Revistas (SEER). Disponível em: < http://seer.ibict.br/ >

INTERNATIONAL STANDARD SERIAL NUMBER. ISSN Statistics. 2012. Disponível em: <http://www.issn.org/2-22640-Statistics.php>..

MARCONDES, C. H.; SAYAO, L. F. Documentos digitais e novas formas de cooperação entre sistemas de informação em C & T. Ciência da Informação, v. 31, n. 3, p. 42-54, set./dez. 2002.

MARCONDES, Carlos Henrique. Metadados: descrição e recuperação de informações na Web. In: MARCONDES, Carlos Henrique; KURAMOTO, Hélio; TOUTAIN, Lídia Brandão; SAYÃO, Luis . Bibliotecas digitais: saberes e práticas. 2. ed Salvador: UFBA; Brasília: IBICT, 2006, p. 97-146.

MÁRDERO ARELLANO, M. A.; SANTOS, R. M. D. M. dos; FONSECA, R.M. S. da. SEER: disseminação de um sistema eletrônico para editoração de revistas científicas no Brasil. Arquivística.net, v. 1, n. 2, 2006. Disponível em: <http://www.arquivistica.net/ojs/viewarticle.php?id=33&layout=abstract>.

MÁRDERO ARRELANO, Miguel Angel; FERREIRA, Sueli Mara Soares Pinto; CAREGNATO, Sônia Elisa. Editoração eletrônica de revistas científicas com suporte do protocolo OAI. In: FERREIRA, Sueli Mara Soares Pinto; TARGINO, Maria das Graças. Preparação de revistas científicas: teoria e prática. São Paulo: Reichmann &Autores, 2005. Parte 3. cap. 7. p. 195-229.

MORENO, Fernanda. Tutorial para editores: SEER. Brasília: IBICT, 2007. 44p. Disponível em: <http://www.ibict.br/secao.php?cat=SEER/Apresentações>.

OAISIS.BR. Portal Brasileiro de Repositórios e Periódicos de Acesso Livre. Disponível: <http://oasisbr.ibict.br/>.

OPEN ACCESS RESOURCES BY AND FOR LIBRARIANS. Disponível em: <http://oalibrarian.blogspot.com/>.

OPEN JOURNAL SYSTEMS (Universidade British Columbia). Disponível em: <http://pkp.sfu.ca/ojs/>.

ORDONES, Solange Aparecida Devechi. Modelo para análise de usabilidade de periódico eletrônico. 2008. 212f. Dissertação (Mestrado) – Faculdade de Filosofia e Ciências, Universidade Estadual Paulista, Marília, 2008. Disponível em: <http://www.marilia.unesp.br/Home/Pos-Graduacao/CienciadaInformacao/Dissertacoes/ordones_sad_me_mar.pdf>. Acesso em: 15.dez.2008.

PORTAL DE PERIÓDICOS CAPES. Disponível em: <http://www.periodicos.capes.gov.br/>.

PUBLIC KNOWLEDGE PROJECT (PKP). Disponível em: <http://pkp.sfu.ca/ojs/>.

RAMOS, Clériston Ribeiro; MIRANDA, Angélica Conceição Dias. Editoração de revistas científicas: caso da Vetor utilizando o SEER. EREBD, 9. 2007. Anais… Florianópolis, Centro Acadêmico de Biblioteconomia - CAB, 2007. Disponível em: < http://www.erebd.ced.ufsc.br/portal/Textos_Anais/editoracao_revistas_cientificas.pdf >

SABBATINI, Marcelo. Publicações eletrônicas na internet. São Caetano do Sul (SP): Yendis, 2005.

SCHULTZE, S. Características de periódicos científicos produzidos por editoras universitárias brasileiras. Informação & Sociedade: estudos, v. 15, n. 2, 2005. Disponível em: < http://www.ies.ufpb.br/ojs2/index.php/ies/article/viewFile/36/1517>.

SCIENTIFIC ELECTRONIC LIBRARY ONLINE - SCIELO. Sobre este site. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?lng=pt#about>. Acesso em: 2 jan. 2009.

SIMON FRASER UNIVERSITY. Public Knowledge Project - PKP. What Is the Public Knowledge Project? Canada. Disponível em:<http://pkp.sfu.ca/about>. Acesso em: 19 fev. 2008.

Unless otherwise stated, the content of this page is licensed under Creative Commons Attribution-ShareAlike 3.0 License